Tag: madrinhas de preto

Inspiração de Casamento: Gleicy e Alan

Olá, pessoal! Como vocês estão?

Post do dia, é o Casamento  Gleyci♡Alan!
Se liga, que tem paleta Preto + Branco + Verde + Dourado, pés descalços, arranjo floral nos cabelos, lava pés, legião urbana, sentimento de verdade e emoção sem fim!

A Gleyci e Alan são clientes muito especiais para nós. Foram os primeiro clientes oficiais da Marca Invit, quando não tínhamos nem domínio próprio ainda. O Modelo de Design deles, foi adaptado com a cor Preta, com anêmonas. E ficou um charme!

(Fotos do casamento, por @lucashsfotografia)

 

Gleyci, escreve:

A proposta foi fugir do tradicional.

Queríamos o preto desde sempre, para romper com a história de que essa cor é só para luto. Muito pelo contrário, fica super elegante e combina muito com diversos tipos de celebrações.

Usamos a geometria, remetendo ao Alan, que é matemático e para a data que começamos a namorar. Dia 06/05.

 

Identidade Visual

Além do Convite, para compor a Identidade Visual do evento, Gleyci adquiriu também o Design para Manual do Casamento da Invit, com vestuário para os padrinhos e mais todas as informações importantes.

Design que se harmoniza também para Canecas.

Foi feito também o Monograma, seguindo a geometria e as anêmonas. Com monogramas, é possível fazer carimbos, relevos, entalhes,  hot stamping, verniz local e diversos outros tipos de acabamentos.

 

E o Casamento?

A ornamentação, acessórios e buquê, ficou por conta da Josy da @minodecorações. E eu sou a maior suspeita pra contar sobre ela, que decorou TUDO na minha vida, rsr. Desde casamentos, a chás, a aniversários, e tudo!

A Mino seguiu a referência solicitada pela noiva, e também os Designs da Invit. Geometrias, o Preto, as flores Brancas, o Verde e a natureza.

Tsurus: paz, saúde, boa sorte, renovação e alegria
Estante de lembrancinhas, fotografias e hobbies (reparem o globo)
Lembrancinhas, com tampinhas pretas
Visão geral da composição
o noivo, felizão!

Detalhes preto e branco também no mobiliário, geometrias nas luminárias
sousplat em VINIL, ahhhh que maravilhoso!!! Geometrias nos centros de mesa, folhagens, alecrim para trazer boa sorte.
Mesa da família com arranjos de folhagens e flores brancas maiores.
Sousplat geométricos dourados, e o preto, sempre presente!

tsurus no altar e nas árvores, e as cores preto, branco, dourado e verde

 

E esse lugar lindo é o @villakalena.

 

A Assessoria, ficou por conta do @cerimonialencantarr – e eu também sou suspeita pra falar dessa equipe. Sempre tratando a Invit com tanto amor e carinho! Por tanto, elas sabem que podem SEMPRE contar conosco pra qualquer projeto!

 

E da Gleyci, eu vou falar um pouco de toda impressão que tivemos dela: Uma cliente, uma pessoa EXTREMAMENTE educada, delicada, decidida, prática. Sabe dizer exatamente o que espera, deseja. Já sabia em quais ítens desejava investir. Chegou com referências prontinhas! É aquele tipo de pessoa que facilita o trabalho dos outros, e gente assim a gente lota de brindes, já que o trabalho foi otimizado e tão leve e gostoso de se fazer! “Gratidão imensa” eram as palavras que ela nos dizia, semelhante as que nós também praticamos. Aquela boa energia espiritual batendo ♡♡♡

“A beleza está nos olhos de quem a vê”, já diz o ditado. Gleyci vê beleza e o valor com imenso bom gosto, também em momentos simplórios! Isso é valioso! Vocês vão entender melhor quando ler a história escrita por ela sobre o amor do casal.

 

E a beleza dessa mulher, como lidar? Traços mais lindos, corpão, mix de delicadeza e segurança, o @lucashfotografia passou bem pra retratar ela, ein? Inclusive, ele também arrasou nessas fotos e ninguém pode negar.
(Eu tô aqui é pra exaltar em público esse povo bom de serviço mesmo!)

Esse vestido super CHARMOSO foi da @oamoresimples .

Acessórios e buquê: @minodecorações.

 

As palavras da Gleyci, a noiva, estão muito mais perfeitas (do que a nossa poderia estar), para contar sobre a história de amor desse casal.

“Eu sabia que era ele”. A gente sente mesmo, né?

 

Gleyci, escreve agora:

As músicas remetiam as músicas da nossa relação.
Os padrinhos entraram com Black Bird. Uma referência a amizade e a cor da roupa deles.

repleto de significado, do jeitinho que a gente ama!

 

O Alan entrou com “Cataflor“, do Tiago Iorc. Ele diz que a letra é tudo que ele diria para mim, naquele momento. E dale emoção!

Invit: A trilha sonora, ficou por conta do nosso amigo de longa data, @ruymarchi!

 

Eu entrei com com Nosso N(Ós) da Sandy. Uma música muito especial para nós dois.

 

Entramos descalços, para receber a energia boa, vinda da natureza.

Na cerimônia celebramos o amor. Não foi uma cerimônia tradicional, religiosa. Deus estava presente , pq ele é amor.

Celebração conduzida por @contacomigocelebracoes

 

Fizemos a cerimônia de lava pés dos nossos pais, em forma de agradecimento a tudo que eles fizeram por nós até aquele dia.

Foi um dos momentos mais emocionantes da celebração.

 

 

A aliança foi ao som de Tempo Perdido, Legião. Nas mãos dos nossos avós. Lembrando que o tempo é nosso maior amigo. E que temos que aproveitar cada segundo. Só temos o presente para viver o amor.

Que tal dar play no vídeo pra ver as fotos seguintes?

vanessa da invit morrendo de chorar por aqui

E teve troca de votos, sempre o segundo auge do casamento.

Enfim Casadooooooossss!!!!

se liga nesse brinde!

E bora pra festa!

 

Pra registrar, não poderia deixar de contar a história. E a história, AH GENTEEE, é de encher o coração! Eu tô escrevendo isso arrepiada e eu posso provar (clica aqui procê ver!).

Como nos conhecemos

Em Abril de 2017 eu terminava um relacionamento com um garoto, pois eu percebi que nós não iriamos muito longe por muitas coisas. Eu e ele seriamos padrinhos de casamento da irmã de uma grande amiga que hoje brilha lá no céu.

Terminamos, e eu fiquei sem par para o grande dia. E jurando que eu não voltaria a namorar tão cedo. Estava cansada de tantos desencontros.

A noiva ficou sem saber o que fazer, pois queria muito que eu estivesse no altar com ela. Ela disse: Gleyci, não se preocupe eu vou conseguir alguém para tapar o buraco.

E ela foi, buscou o primo do noivo e sem graça pediu para que ele entrasse comigo, isso claro, se sua namorada não importasse. Só que ninguém sabia, dias antes do convite, ele tinha também terminado seu relacionamento, E Disse: porque não? Eu aceito ser seu padrinho.

Certo dia ele teve que me perguntar sobre a cor do meu vestido, para que ele pudesse comprar a gravata no tom mais próximo. E deu uma investida para saber se eu iria dar corda. Pois ele já tinha visto uma foto minha e tinha me achado gatinha.

PS: eu também já tinha visto uma foto dele, eu me apaixonei por aquele olhar (meus olhos cor de marte) e tiraram meu chão quando disseram que ele tinha apenas 21 anos. Mas algo me disse para que eu não desistisse. E insisti em procurar saber mais sobre ele e descobri que na verdade ele tinha 31 anos. Que alegria, eu sabia que era ele, eu não estava enganada!

Ele me chamou então para conversarmos sobre a cor do vestido e disse que seriamos um casal de padrinhos bem harmoniosos, e eu claro tive que concordar, pois seríamos mesmo, rsrs. Tínhamos um ensaio do casamento marcado e víamos ali a chance de nos conhecermos. MAS… O ensaio foi desmarcado, o que nos deixou bastante chateados (claro, eu não sabia que ele estava e nem ele sabia da minha magoa, rsrs), só descobrimos depois.

Daí ele me enviou uma msg assim: “Ah, pensei q a gente ia se conhecer antes do casamento no dia do tal do ensaio. Pena, parece q os padrinhos não precisam ir…
“Porque aí poderíamos contribuir ainda mais para a nossa harmonia.”

Eu respondi: “Parece que estão conspirando contra a harmonia do casal de padrinhos. Pelo visto querem avaliar a sintonia do casal no momento da emoção e energia do casamento! Eu também estava esperando pelo ensaio.”

Ele sem pensar duas vezes me manda: “Se bem, que independente do ensaio, a gente poderia se encontrar antes do casório. Anima?”

E eu não consegui negar aquele pedido, naquele momento era o que eu mais queria. Conhecer aquele rapaz com aqueles olhos cor de Marte que tanto me hipnotizaram. Isso era dia 06 de maio.

Nos conhecemos dia 06 de maio de 2017, (21 dias antes do casamento).

Nosso primeiro encontro foi no restaurante Paris 6, que fica no pátio Savassi. Marcamos o encontro mais cedo, pois eu teria um prova no domingo. Eu cheguei primeiro e fiquei esperando o atrasadinho, tempos depois descobri sua fama, ele nunca chega no horário, rs.

Estava super ansiosa, me programei toda, pensando nos detalhes. Imaginava sapato, não fazia ideia da sua altura, qual blusa, se iria de calça, vestido ou sei lá o que. Mas fui, tenho foto do look até hoje e o Alan não apaga a foto por nada.

Pronto, ele chegou. Eu estava esperando-o em um banco e de longe reconheci, sim era ele. Branco, alto, estava sem barba, calça jeans e blusa de frio preta. Direcionamos-nos para o restaurante. Chegando lá não tinha mesa onde poderíamos nos sentar lado a lado, sentamos em um cantinho, um de frente para o outro. Conversamos muito, e eu ficava desesperada, estava desempregada e ficava imaginando como pagaríamos a conta, se iriamos dividir, sei lá pensava muito nisso. Kkkkkk

O Alan falou muito, muito mesmo. Aquele pobre, fudido que morava no barreiro (nesse momento pensei, coitado, ele é pobre, fudido e mora no barreiro. E eu, pobre, desempregada, fudida e morava no chácaras contagem? Sabe de nada inocente.) falou sem parar.

(vanessa ta morrendo de rir, lendo isso aqui agora)

Nesse dia ele me contou sobre seu trabalho, suas histórias, seu vicio em doce e diversas outros momentos vividos.

Lembro-me perfeitamente do primeiro toque com a esperança de algo em troca, seguramos a mão um do outro e eu pude sentir a energia percorrer nossos corpos. Eu tinha certeza que era ele. Ficamos a noite toda nos olhando, falando sobre coisas que gostamos a energia das pedras, espiritismo, relacionamento passado, e assim foi.

Pedimos a conta, e a preocupação voltou. Fui até o toalete, respirei fundo e voltei para mesa, Ele pagou.

Saímos do restaurante de mãos dadas e no meio do corredor, na frente de algumas pessoas, demos nosso primeiro beijo. Eu flutuei. Foi como receber a tão sonhada medalha no fim da competição. Foi para fechar, ou melhor, iniciar com chave de ouro. Tínhamos química, intensidade e desejo de estarmos juntos, não só aquele dia, mas por muitos outros.

Algumas coisas não mudaram, a química continua a mesma, ele continua chegando atrasado, adora doce e continua com aquele sorriso e aquele olhar encantador. E claro, nosso amor, confiança e afinidade só crescem.

Desde esse dia não nos desgrudamos mais. No dia seguinte fomos ao musical do RENATO RUSSO … e curtimos muito. Ficamos o máximo que conseguimos coladinhos.

 

Então, vou terminar com o First Touch deles, pra vocês sentirem a vibe de grande emoção e amor!

   

 

E o restante da história e a celebração do Para Sempre, vocês conheceram ♡♡
De encher o coração, ein pessoal?

É o que eu sempre digo, viver o amor ao lado de alguém, é um grande privilégio. Tido por muitos como a maior de todas as conquistas de um ser.
Sejam sempre felizes, Gleyci e Alan. Vocês são muito especiais!

 

 

 

 

 

View this post on Instagram

 

Palavras da incrível: @contacomigocelebracoes 💕 ・・・ Num dia em que não se veriam a Gleyci resolveu aparecer de surpresa na casa do Alan. Assistiram um filme e ficaram de bobeira tomando acaí no quarto dele. Desastrado, o Alan derramou açaí na camisa e precisou trocá-la. Ao abrir seu guarda-roupa para pegar uma camisa limpa deu de cara com os dizeres “Casa comigo? ”. Não, não era um pedido da Gleyci. Era a camisa que ele mesmo mandou fazer. Ela estava dentro do guarda-roupa prontinha para ser colocada na mala e partir para uma viagem que fariam para São Lourenço. Naquele momento, era como se ele estivesse sendo pedido em casamento. Gleyci estava deitada na cama. Em um segundo Alan, em pé diante do guarda-roupa, pensou naquela camisa, na viagem que fariam, na surpresa em preparo. Ao invés de vestir qualquer outra camisa, ele vestiu aquela mesmo. Ele aceitou o convite da vida para que o pedido fosse feito naquele domingo à noite depois de um filme e um pote de açaí. Ele a vestiu rapidamente e chamou a Gleyci. Cruzeiro e Atlético haviam jogado naquele dia pela final do Mineiro. De bruços ela estava de bruços ela ficou: “Não é possível que Alan vestiu a camisa do Cruzeiro só pra me provocar!” Alan, tinha diante de si o desafio de convencer Gleyci a virar para ele e ver que, não, ele não tinha vestido uma camisa do Cruzeiro. Gleyci é um doce, mas é firme, e ela não se virou. Alan, vestido de casa comigo, não sabia o que fazer… Deitou-se junto dela que, finalmente, se virou. Ela viu o escrito na camisa. Os dois se abraçaram fortemente surpreendidos por aquele pedido de casamento inesperado. Alan ficou aguardando uma resposta, mas já estava certo da resposta da Gleyci. Tanto que mandou fazer para ela uma camisa escrito sim, e só! Depois daquele abraço e de terem, literalmente, vestido a camisa, Alan sugeriu que a Gleyci fosse até o banheiro para lavar o rosto. Enquanto isso, correu, acomodou as alianças na caixinha, se ajoelhou e ficou esperando a Gleyci voltar. Ela não tinha ideia que o Alan havia comprado as alianças, ele dizia que estava sem grana… O que é perfeito? É o que não pode ser melhorado. É o que está arrematado, que não tem defeito.

A post shared by Assessoria e Cerimonial (@cerimonialencantarr) on

(mais…)

Continue a ler

DIREITOS AUTORAIS RESERVADOS | PROIBIDA A CÓPIA TOTAL OU PARCIAL
INVIT.COM.BR/VANESSA- design by